CRÍTICA - BATMAN vs SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA

Batman vs Superman: a origem da justiça
Direção: Zack Snyder.
Ano: 2016.

Os poderes sobre humanos do Super-homem (Henry Cavill) são colocados em pauta, quando sua luta com Zod (Michael Shannon) deixa milhares de mortos na cidade de Metrópoles. Entre os que estão em desacordo da existência colaborativa desse “extraterrestre”, está Bruce Wayne (Ben Affleck), que entrará, ilegalmente, em uma pesquisa nos laboratórios de Lex Luthor (Jesse Eisenberg) para descobrir sobre esses super-humanos e achar uma forma de eliminar o super-homem, considerado não mais um deus e sim um risco para a humanidade.

Um dos lançamentos de super-heróis mais esperados do ano, chegou dividindo o público. De um lado os que ovacionaram o longa, do outro, aqueles que acharam que poderia ter sido muito mais. As bilheterias esclarecem, já que houve uma queda notável na segunda semana do filme.

Batman vs Superman 2016 foto. © Warner Bros. France
Com 2h33min Batman vs Superman: a origem da justiça não foi de todo bom. As cenas soam rápidas e sem desenvolvimento, principalmente na primeira hora de filme, antes do ápice, que é a batalha.  O que deixa uma grande abertura para tal desenvolvimento, podendo o filme ter sido dividido, ficando mais curto, melhor estruturado e menos monótono e cansativo no início.

O longa que antecede A origem da Justiça, O Homem de Aço, também dirigido por Snyder, mostra-se melhor desenvolvido, tendo sido utilizado nos momentos iniciais do longa, mostrando a perspectiva de Bruce Wayne; um contraste entre um ser considerado um deus e um mero mortal. Foi interessante colocar tal perspectiva, pois aborda um outro motivo que impulsionou o surgimento do Batman, além do já conhecido.

Um dos pontos altos, com toda certeza (além da batalha entre os personagens principais, claro) é a entrada da Mulher Maravilha, e sua posição na luta, no centro, entre os homens, mostrando que chegou para mudar o curso da situação, de fato. Antes disso, há a descoberta dos arquivos secretos de Lex Luthor, que exibem outros seres extraordinários, dentre eles o Aquaman (interpretado por Jason Momoa, o Kal Drogo de Game of Thornes). Aos curiosos, já deu para ter uma prévia do personagem e ficar na expectativa para o filme solo.

Batman vs Superman 2016 foto. © Warner Bros Entertainment
Mas nem tudo está perdido: o terço final do filme nos faz ficar eretos na cadeira, com batalhas acirradas entre o Super-homem e o Batman, com tons de divertimento em algumas partes, para ver quem era o mais forte. Além da batalha secundária, onde a criatura de Krypton, revivida por Luthor entra em ação. A iluminação em tons sombrios externa o clima dos personagens principais, além da sonoplastia e da trilha sonora que foram espetaculares.

Ficamos também no aguardo, de uma batalha verdadeiramente épica que está para chegar no final de abril, com Capitão América: Guerra Civil. Esperando de verdade que as expectativas sejam bem (bem muito) superadas. 

Confira o trailer, anime-se e vá conferir nos cinemas: 



Resenha por Lucyanna Melo

Resenha - Cidades de Papel, John Green

A adolescência é o período em que mais nos desesperamos para ser aceito, encontrar caminhos e procurar a aprovação dos outros. Mesmo que nesse desespero nem sempre se consiga ser aceito, encontrar o seu caminho ou receber a aprovação dos outros. Nós tentamos. E é meio dessa forma que a história de Cidades de papel acontece, Quentin que já está no último ano do ensino médio tem uma vida comum pra sua idade, tem seus amigos, e claro, uma paixão platônica que nasceu de uma amizade de infância. 

Quentin brincava com sua vizinha Margo, quando um acontecimento que os dois vivenciam altera suas formas de enxergar a vida. O dia é normal, ensolarado, até. As bicicletas são as mesmas de sempre, enferrujadas da garagem. O parque é o mesmo, com jardins e balanços. Mas algo está diferente, destoante. Maculando o ambiente saudável e feliz da infância deles, junto às árvores, jaz o corpo de um homem com sangue já seco, imóvel e sem vida.

A partir de então, essa visão afeta de forma diferente cada personagem, Quentin procura ajuda dos pais (que são, ambos, psicólogos), já Margo toma certa posição investigativa em relação a causa da morte do homem que encontraram. Tornando-se interessada até demais pelo assunto. A última vez que Quentin viu sua amiga Margo foi na noite posterior do evento no parque, ela apareceu misteriosamente na janela de seu quarto com notícias do então suicida. Assustado Quentin se resumiu a observá-la até cair no sono. 

Depois deste acontecimento a personalidade de Margo muda da água pro vinho, seu comportamento com os pais, a forma como lida com problemas e principalmente seu relacionamento com Q, também mudam. Agora Q e Margo são de esferas sociais diferentes, ela popular e descolada, ele desconhecido e considerado esquisito, sofrendo perseguição pelos bad boys da escola. Mas Q ainda nutre um sentimento platônico por Margo mesmo sem conviver com ela, e ainda sabendo que ela namora um dos jogadores do time da escola.

É numa noite comum que Margo reaparece na janela de Q da mesma forma misteriosa que anos antes desapareceu, ela o procura para pedir que ele dirija para ela durante a noite, levando-a a lugares para pôr em prática mais um plano da “misteriosa”, no mínimo ousada, Margo Roth Spiegelman. Ele, é claro, aceita a proposta e se torna motorista particular (e cúmplice) de sua amada por uma noite. Essa jornada só acontece pela adoração de Quentin por ela, que aproveita esse espaço para conhecer e desfrutar da presença enigmática de Margo. É observando ela que ele percebe o quanto é apaixonado e como esse romance se torna mais impossível a cada hora da noite.

Quando enfim eles retornam pra casa e se despedem, Q acredita que este é o início de uma nova fase em sua vida; criando expectativas para o dia seguinte, planeja rever Margo, se declarar e falar de todos sentimentos que possui por ela. Mas no dia seguinte Margo não aparece na escola, nem no outro dia, nem na semana seguinte, deixando a todos preocupados, principalmente os pais. Acontece que Margo Roth Spiegelman já é conhecida por seus desaparecimentos, que sempre deixa pistas de onde pode estar. 

É nesse momento que Q está novamente envolvido nessa paixão/mistério que sempre circulam a personagem. Com ajuda de seus amigos ele refaz os últimos passos de Margo, e encontra várias pistas de onde ela pode estar escondida, o livro se desenrola nesse mistério de encontrar Margo, ainda que o medo de encontrá-la tarde demais seja presente.

Este livro recebe o nome que tem pela opinião da personagem Margo Roth Spiegelman que considera tudo a sua volta tão simplório quanto uma folha de papel. 

Uma cidade de papel para uma menina de papel. (…) Eu olhava para baixo e pensava que eu era feita de papel. Eu é que era uma pessoa frágil e dobrável, e não os outros. E o lance é o seguinte: as pessoas adoram a ideia de uma menina de papel. Sempre adoraram. E o pior é que eu também adorava. Eu tinha cultivado aquilo, entende? Porque é o máximo ser uma ideia que agrada a todos. Mas eu nunca poderia ser aquela ideia para mim, não totalmente.
Margo considera tudo e todos pequenos, frágeis, e simplórios. Ela procura, numa vida intensa de aventuras, ser diferente de todos; deixando um pouco de si em tudo. O amor (ainda que platônico) sentido por Quentin toma dimensões inexprimíveis em palavras, uma sensação que nem mesmo ela sabe lidar (Um romance de John Green, certo?).

 – De perto tudo é mais feio. – disse ela.
 – Não você. – respondi sem pensar.
O livro fala um pouco de liberdade que também é uma aspiração dos jovens. Abrir mão. Fazer escolhas. Q te induz a pensar nos sacrifícios que fazemos ou faremos durante nossa jornada, ainda nos trazendo uma reflexão “amar é libertar”. Até mesmo ela percebe o quão incrível é este sentimento
E então você me surpreendeu. Para mim, você tinha sido apenas um garoto de papel por todos aqueles anos: um personagem de duas dimensões no papel e uma pessoa de duas dimensões na vida real, mas, ainda assim, sem profundidade. Só que, naquela noite, você se provou uma pessoa de verdade. E acabou sendo tudo tão estranho, divertido e mágico que, assim que voltei para meu quarto, senti saudade de você.
O desfecho dessa história é impressionante, hilário e apaixonantemente digno de cinema. 

Resenha por Alice Delmiro

Resenha - No escuro, Elizabeth Haynes

As melhores leituras são aquelas que conseguem arrebatar sua atenção de tal forma que você nem percebe o envolvimento acometido a não ser quando já se sente parte dos sentimentos e ações dos personagens da história. No escuro é um livro que faz isso com você: envolve, assombra e inquieta. Totalmente bem escrito, Elizabeth Haynes consegue te levar a dimensões de ansiedade e angústia característicos dos melhores thrillers psicológicos.

A garota segura de si, de encontros casuais com as amigas e de pegações sem compromisso nos fins das noites badaladas, não existe mais. Hoje, só se encontra espaço para aquilo que sobrou de Catherine: insegurança, medo e falta de tempo. Catherine sofre de TOC (Transtorno obsessivo-compulsivo), e, tarefas como fechar uma porta e sair de casa, não são mais tão fáceis como já fora um dia. Conferir uma, duas, três vezes? Não! Talvez não esteja bem trancada. Quatro! Será que eu fechei mesmo? Cinco, Seis. Talvez devesse conferir de novo… 

 "Eu queria ver TV. Mas o pânico persistia, apesar de eu tentar ser racional, apesar de dizer a mim mesma que fizera tudo, verificara tudo, que não havia nada com que me preocupar, o apartamento estava protegido, eu estava segura, mais um dia em segurança dentro de casa."
Cathy nem sempre foi do jeito que é agora, sua vida praticamente é dividida em “antes” e “depois” de conhecer Lee. Um homem alto, musculoso, com olhos azuis que irradiam calor e charme, o típico sonho de qualquer mulher. Ou, assim, pensava Cathy. Os rituais adquiridos por nossa personagem vieram do seu relacionamento nada saudável com Lee. Aquilo que parecia ser promissor e início de um romance regado de carinho e sexo veio por água abaixo com o passar do tempo. A possessividade, controle e violência tomaram conta de sua vida a partir de que Lee se mostrou quem realmente é.
“Quando abri os olhos, meu primeiro pensamento foi: Hoje eu vou morrer. Eu sabia disso por causa das dores. Haviam atingido outro nível, vindo em minha direção como um trem a partir do instante em que abri os olhos. Eu tremia, suave e, embora devesse ter passado horas entre a consciência e a inconsciência, de repente a realidade me atingiu com clareza e eu soube que morreria”
Narrado em primeira pessoa alternando entre passado e presente No escuro é um retrato característico das possibilidades humanas. Ao ler esse livro você terá seu olhar diferenciado para algumas circunstâncias que julga-se ser fácil de passar. O livro é, desde o início, livre de capítulos apenas separado por datas que vão familiarizando e situando o leitor com tudo o que aconteceu a personagem. Toda destreza de palavras, pensamentos e atitudes fazem o leitor buscar pelo real motivo do “O que aconteceu para que Cathy ficasse assim?” num frenesi que estimulam o imaginário a cada página. 

Com uma história amarrada e totalmente completa esse livro consegue suprir qualquer expectativa durante a leitura. Todos os eventos propostos são explicados sem deixar qualquer tipo de dúvida na cabeça do leitor, Haynes consegue através da sua escrita pulsante, em seu romance de estreia, despertar a curiosidade, assustando, envolvendo, chocando e garantindo seu lugar de melhores lido do ano. Recomendadíssimo! 
"São momentos assim que identifico como perigosos. O medo que permeia minha vida de repente atinge um patamar mais elevado e minha exisência se torna um esforço inútil, um desafio árduo demais."

[Promoção] 4 anos do minha Velha Estante com os amigos

Oi, galera,

os blogs amigos do Minha Velha Estante se reuniram para presentear vocês nesse mês de aniversário!!!




Serão dois kits com 6 livros cada 1. 

Leia as regras e participe!!!!


Kit 1


Kit 2




Regras:

- Cada kit terá apenas 1 ganhador.

- Entraremos em contato com o ganhador que terá 48h para retornar o email com os seus dados para entrega.

- Os blogs tem 30 dias para o envio dos prêmios, após a confirmação do e-mail pelo vencedor. 

- Nas opções onde diz "Visit .... on Facebook", é obrigatório curtir a página correspondente.

- Cada participante só poderá ser sorteado em apenas 1 kit.

- Os sorteado deverá ter um endereço de entrega no Brasil.

- Nenhum blog será responsável por extravio ocasionado pelos Correios, bem como pelo custo de reenvio em caso de endereço incorreto.

- Os livros chegarão em datas diferentes pois serão enviados por blogs diferentes.

- O prazo para qualquer tipo de reclamação por parte de sorteados em relação à não entrega dos prêmios será até o dia 15/03/2016.

Qualquer dúvida deixe um comentário nessa postagem ou mande um email para minhavelhaestante@gmail.com.

Top 5 Blogs/Vlogs


Olá, Paraquedistas!

Como hoje é início de mês, e quero renovar um pouco as postagens do blog, vou colocar no ar todas as sextas-feiras o Top 5! Não que isso seja novidade para ninguém, mas pelo menos vocês vão conhecendo um pouco das coisas que eu curto e gosto. O top 5 pode variar os assuntos, nada vai estar pré-estabelecido. Ou seja, eu posso abordar músicas, cantores (as), livros desejados, capas que eu gosto... E por aí vai!

E para iniciar, escolhi falar dos 5 blogs/vlogs que eu mais gosto e acompanho desde que eu entrei na blogosfera literária. Então optei destacar os que me fizeram começar meu blog, e, de alguma forma, me incentivam a continuar!